Não limite os passos do seu bebê

Muitos pais colocam os bebês em andadores acreditando que com essa atitude seus filhos irão começar a andar mais cedo

Depois de três meses de idade, um bebê mediano começa a rolar deliberadamente (e não acidentalmente como anteriormente fazia). Primeiramente, o movimento de rolar será de frente para trás, depois de trás para a frente. Com seis meses de idade, o bebê irá conseguir sentar-se sem apoio. Entre os seis meses e os dez meses, a maioria dos bebês começam a se deslocar por conta própria: arrastando-se e engatinhando.

Bebês que engatinham tornam-se mais sensíveis ao lugar onde os objetos estão, começam a perceber mais o que mundo que o cerca. Se os objetos que o rodeiam podem se deslocar e como eles se parecem. É uma fase de muitas descobertas.

O ato de engatinhar auxilia para que o bebê comece a desenvolver noções de distância e profundidade. A partir do momento que ele começa a ter autonomia para se movimentar mais, o bebê começa a ouvir advertências do tipo “Volte aqui”. Quando os adultos pegam o bebê e os vira em outra direção mais segura, o bebê irá começar a se lembrar dessas instruções quando ele seguir para uma direção de um objeto proibido. Com isso, o condiciona a olhar para os cuidadores para saber se uma situação é segura ou perigosa, surgindo, assim, uma habilidade já conhecida como referencial social.

Ao segurar nas mãos de alguém ou se apoiar em algum móvel, o bebê consegue ficar de pé pouco depois dos sete meses de idade. Em pouco tempo, o bebê irá largar o apoio e ficará de pé sozinho. Um bebê mediano conseguir ficar em pé normalmente uma ou duas semanas antes do primeiro aniversário (ou seja antes de 1 ano de idade). Logos após o primeiro aniversário, uma criança mediana consegue andar razoavelmente bem.

Muitos pais colocam os bebês em andadores acreditando que com essa atitude seus filhos irão começar a andar mais cedo. O andador restringe a exploração motora do bebê, além de limitar a visão que o bebê tem acerca dos seus próprios movimentos, com isso, os andadores podem retardar o desenvolvimento da habilidade motora de seu bebê, afetando assim na psicomotricidade do mesmo.

Com dois anos de idade, a criança começa a subir degraus, um de cada vez, colocando um pés após o outro no mesmo degrau, mais tarde ela alternará os pés. Somente depois é que ela irá passar a descer degraus. Aos 3 anos de idade, a criança já consegue correr, pular, equilibra-se brevemente em um pé só e a partir daí ela começa a saltar.

Marcos do Desenvolvimento Motor:

Habilidade 50% 90%
Rolar 3 meses 5 meses
Pegar um chocalho 3 meses 4 meses
Sentar sem apoio 5 meses 7 meses
Ficar em pé apoiando em algo 7 meses 9 meses
Pegar com o polegar e o indicador 8 meses 10 meses
Ficar em pé sozinho e com firmeza 11 meses 13 meses
Andar bem 12 meses 14 meses
Montar uma torre com 2 cubos 14 meses 20 meses
Subir escadas 16 meses 21 meses
Pular no mesmo lugar 23 meses 24 meses
Copiar um círculo 3 anos 4 anos

A relação entre o corpo e os objetos situados no espaço ao seu redor contribui para a consciência de si próprio e contribui para o seu desempenho no espaço. Com a percepção ampla do corpo, vem uma seguinte etapa, a de consciência de cada segmento corporal, qual realiza de forma interna (sentindo uma parte de seu próprio corpo) e externa (a percepção em relação ao corpo alheio como se fosse um “espelho).

Ajuriaguerra (1972) defende a ideia de que a por meio do corpo a criança elabora todas as suas experiências vitais e contribui para a organização de sua personalidade. A construção da imagem corporal está associada as estruturas mentais, devido a maturação cognitiva os movimentos se tornam mais elaborados, coordenados e complexos.

Devido a imagem corporal, a criança começa a delinear as primeiras noções espaciais, devido a distância percebida entre ela e o objeto, e a partir de seu próprio corpo a criança esboça as primeiras noções de profundidade, quando ela flexiona o tronco de seu corpo.

A evolução da imagem corporal e a aprendizagem dependem de um equilíbrio entre a quantidade e a qualidade das relações integradas: objeto, corpo e meio social. A imagem corporal contribui também para a organização das emoções, que naturalmente depende da relação e interação com o outro, aliás, também fatores como tempo e momento.

Na criança sua imagem corporal depende, compreende e completa-se na imagem do corpo do outro e os outros que a rodeiam a envolvem, até porque o outro para criança é o centro de suas atenções e motivações, com isso a criança canaliza toda a sua afetividade nessa interação com o outro.

 

Fonte: http://guiadobebe.uol.com.br/nao-limite-os-passos-do-seu-bebe/

Anúncios

Por que é tão legal ter filhos quase da mesma idade.

Desde que o Felipe nasceu e eu saio com os dois, sempre ouço a pergunta: “nossa, são gêmeos? ” E até hoje é assim, TODOS OS DIAS pelo menos uma vez por dia, ouço essa pergunta.

E é engraçado, porque eles tem 1 ano e 5 meses de diferença, e o Tiago é só um pouquinho mais alto do que o Felipe. O Ti tem cabelo liso e o Fê enroladinho, mas as feições são muito parecidas. Parecem e não parecem gêmeos…rs

Na verdade o começo é sim MUITO complicado!! Eram dois bebês, com idades e necessidades diferentes, porém quando eram bebês eles precisavam muito de mim, o tempo todo, uma coisa que chegava a sufocar de tanta necessidade. Não tinha tempo para mim, não tinha tempo para cuidar de nada além deles, e do Pedro, o mais velho que na época do nascimento do Tiago tinha 7 anos, e do Felipe 8. Ou seja, o Pedroca teve que se acostumar com dois irmãos mais novos quase que ao mesmo tempo…não foi fácil para ele também, vou contar sobre isso em um outro post.

Mas e os meus gêmeos?? Hoje eles são mega unidos e bagunceiros, brigam e brincam juntos, são companheiros, se ajudam, já começaram a ser cúmplices (na bagunça) e parceiros também (um não acusa o outro, eles se protegem). E por que é bom ter filhos com idades tão próximas?

DSC_0764

  •  O trabalho é todo de uma vez só. Muito trabalho eu diria. É um turbilhão de coisas para fazer todos os dias. E uma coisa emenda na outra, é loucura. Por exemplo: troca uma fralda de cocô, na sequência troca o outro porque vazou xixi, prepara a mamadeira de um com o outro pendurado no peito, coloca os dois no colo, um dorme e o outro acorda, enfim….Mas é TUDO de uma vez só!
  •   Dois irmãos quase da mesma idade dão menos trabalho do que um sozinho. Essa é a conclusão que eu chego, pois se você tem só um em casa, ele te solicita muito o tempo todo, enquanto que dois juntos se viram. Eles criam coisas para fazer juntos, brincam, pegam as panelas, colocam e tiram fantasias, assistem tv, eles se divertem juntos. A casa fica uma zona, mas e daí? São crianças, depois a gente dá um jeito (e eles tem que ajudar). Os pais não são tão solicitados nesses momentos. Ah, lógico que tem muita briga também, mas faz parte!!
  • Hoje meus pequenos tem 4 e 2 anos e 9 meses e eles já são muito amigos. O turbilhão já passou. Vejo eles crescendo juntos, se ajudando, a amizade crescendo, compartilhando coisas, descobertas e risadas, um sente a falta do outro, querem sempre estar juntos e isso me deixa muito feliz!
  • Roupas e sapatos também são compartilhados e guardados de um para o outro. No caso dos meus meninos, que são dois piticos, eles compartilham roupas (sim, desisti de fazer uma gaveta para cada um, no fim mistura tudo mesmo!!), sapatos ainda não, mas os sapatos do Ti estão sendo devidamente guardados para o Fê. É uma super economia!!

 

E gente, o tempo passa tão rápido….é clichê sim, mas parece que foi ontem que eu estava quase enlouquecendo com dois bebês em casa e hoje eles dormem a noite toda….Passou!! Muitas mães me perguntam se é legal ter dois filhos com idades tão próximas e eu digo que SIM!! É muito legal! Algumas querem esperar o mais velho crescer para tentar o próximo….claro, cada família é de um jeito, tem sua estrutura e sua rotina, mas não esperem muito não (o Felipe veio de surpresa viu…rsrs)! É muito bom vê-los crescer juntos, amigos e companheiros. É um amor que cresce a cada dia na gente e neles também e a certeza de que quando nós, os pais, não estivermos mais aqui, eles terão um ao outro!

 

 

Sim! Crianças que lançam moda.

Há algum tempo atrás, na minha não tão distante infância…rsrsrs, eu não era ligada em moda. Nunca fui. Algum tempo depois, em minha adolescência, comecei a curtir mais o assunto, mas não me lembro de ver ou ler sobre crianças que lançavam moda. A gente se espelhava nos outros adolescentes e adultos e gostava mais do estilo de um ou de outro, gostava de usar roupas parecidas – às vezes as roupas nem precisavam ser parecidas, bastavam ser do mesmo estilo. Quando criança, minha mãe me vestia e ok…estava tudo certo. Fui uma adolescente com estilo muito largado. Nada de marcas, grifes, roupas combinando com sapato, nada disso. Gostava de rock ´n roll e me lembro da época em que as bandas grunge de Seattle surgiram…ah, eu achava demais!! Gostava de algumas bandas e músicas sim, mas AMAVA aquele estilo largado, camisa xadrez, várias pulseiras no braço, meninos de cabelo comprido, enfim, me identifiquei! Mas eu tinha meus 15, 16 anos. Hoje existe um fenômeno que não me lembro de ter vivido ou visto…as crianças lançam moda!! As crianças usam as tendências da moda…e gostam! E pedem para as mães roupas iguais as do fulaninho famoso (normalmente filho de alguma celebridade).

moda-para-crianças-4

As crianças de hoje escolhem as roupas que querem usar. Meu filho de 2 anos e meio recusa algumas roupas que quero que ele vista, vai no seu armário e me diz o que quer usar. DOIS ANOS E MEIO!! Tento enrolar e colocar o que eu acho melhor (às vezes está frio e não quer por nem um casaco, ou quer usar o mais fininho possível). Ainda consigo enrolar, mas não por muito tempo.

Muitas vezes eles querem (as meninas se ligam mais nisso) usar algo que viram na tv. Algo que uma atriz mirim, ou filha/filho de um famoso que saiu na foto da revista estava usando…. roupas, acessórios, botas, sapatos, enfim, as opções são variadas.

E quantas vezes você, mamãe amiga, já comprou uma peça de roupa super hiper mega fofa, com detalhes, com golinha, bem quentinha,cara, que vai deixar seu pequeno lindo… e ele? NUNCA usou. Por que? “Porque aperta”,” porque esquenta muito mãe”, “porque essa gola é muito chata”, “porque incomoda”, etc… E a impressão que tenho é que eles tem suas próprias opiniões acerca do que vestir, do corte de cabelo, do esmalte na unha e outras, cada vez mais cedo. E quanto maiores vão ficando, mais fortes essas opiniões. Mas detalhe: ainda são crianças.

Mas ninguém precisa mais brigar ou discutir por conta de opiniões divergentes no mundo da moda. Hoje em dia temos tantas opções e variedade no que diz respeito a esse assunto que eu acho que o melhor a fazer é ouvi-los com carinho, mas tendo em mente que a última palavra é sua, ou seja, “ok, você não quer colocar essa malha linda que a vovó fez para você? Tá bom, mas nós vamos levar e se esfriar você vai colocar, COMBINADO??” kkkkk…..mais ou menos assim.